quarta-feira, 1 de março de 2006

Mais uma língua oficial na ONU?

Está disponível na internet uma petição cujo objectivo é solicitar à ONU que a língua portuguesa seja adoptada como língua oficial daquela organização (a par do árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo). As referências a esta petição têm-se vindo a multiplicar em blogs e em correntes de mails.

Não posso deixar de ter alguma simpatia por esta petição. Afinal é a minha língua. É a língua da minha família e da comunidade onde me insiro. É um elemento muito importante da minha identificação cultural. O mesmo se passa com 250 milhões de seres humanos neste planeta.

O mundo lusófono até pode ver um acto destes com muito orgulho; mas que vantagens teria um acto destes para aquela organização? Em termos práticos as consequências seriam um acréscimo de custos, pois seria necessário aumentar o batalhão de tradutores que actualmente ali trabalham. E o orçamento da ONU já suporta tantos custos administrativos… Talvez valha a pena pensar um pouco antes de assinar uma petição destas.


Ao considerar as acções de um organismo internacional como a ONU, devemos ter presente as vantagens que essas acções têm para todos os povos do mundo e não para apenas um povo ou outro. Uma visão sectária das vantagens e desvantagens apenas serve para bloquear - ou dificultar - as acções deste tipo de organizações. Por outras palavras, temos de ter uma visão global, e não sectária.

Poder-se-á dizer que a visão sectária é comum à enorme maioria dos intervenientes nestes organismos. É verdade. Mas não é essa falta de visão global a causa da maioria dos problemas destes organismos?

A alternativa à existência de várias línguas oficiais nos organismos internacionais está na adopção de uma língua auxiliar internacional; pode ser uma das línguas existentes, ou uma língua "artificial" como o esperanto. Se depois de adoptada pelos organismos internacionais, essa língua fosse ensinada em todas as escolas do mundo, não só reduziríamos os custos de tradução, como melhoraríamos significativamente a comunicação entre os povos do mundo.

Por estes motivos, não vou assinar esta petição.

5 comentários:

João Moutinho disse...

Não queres assinar a petição?
Não estás a ver o assunto correctamente.
Não vamos ter mais uma língua oficial na ONU com a introdução da língua portuguesa.
Vejamos, com a introdução (justa e gloriosa) do português não se vai justificar a existência das línguas francesa ou russa por terem menor número de falantes - além do seu caracter chauvinista e imperialista, respectivamente.
Quanto ao árabe, se neste recanto da Hispânia já se falou árabe e este foi abandonado para se falar português, não vejo razão para que em todo o sítio que se fala Árabe se passe a falar Portugês.
A situação na China requer que os Jesuítas assumam a pasta da Educação na República Popular e façam notar aos chineses que se em Macau (ainda) se fala Português também poderá ocorrer o mesmo em todo o território - incluindo o Tibete.
O Espanhol deixará de fazer sentido como língua oficial porque é muito semelhante à língua Portuguesa, língua dominante no Mercosul.
O Inglês em breve vai passar de moda com todo o mundo a falar Português.
Vê lá se assinas a petição.

GH disse...

Presumo que o João Moutinho esteja ainda em Carnaval (ou ainda não tenha tomado os seus comprimidos).

Há aqui uma outra questão que tem sido esquecida: o português na ONU significa que vamos ter tradutores portugueses ou brasileiros?

É que se são tradutores brasileiros, então eu também não assino. Prefiro inglês ou francês.

Já viram os brasileirismos que constam da petição? Alguem sabe o que é um "congraçamento"?

ELCAlmeida disse...

Já há muito que o português é língua oficial das NU mas não o é uma das da ONU.
Esta petição também já há um tempo que corre no mundo netiano.
Quanto ao esperanto - porque já existe -, concordo que deveria ser a língua oficial do Mundo. Só que, apesar de ter sido inventada por um húngaro mantém na sua matriz muita da raíz latina e isso, aliado a questões políticas internacionais, não deixou que o esperante singrasse.
Ah! nem com toneladas de detergente os 1-3 seriam limpos; e é bom que não sejam limpos como os 1-7. Para não esquecer.
Cumprimentos
Eugénio Almeida

dina disse...

já lá estou com o nº 37053

Dad disse...

Eu também lá estou, assinei logo que vi a petição e até meti no blog para que fosse assinada por quem quisesse, e não vejo porquê não tentar que o português seja língua oficial! Quantos milhões falam português? Não será lícito darmos a essas populações o direito de saber das resoluções da Onu na sua língua natal?
Para além do mais eu tenho orgulho na minha língua e gostaria que fosse uma das línguas oficiais. Enfim, perdemos campo em tantas coisas, ao menos que nos "sobre" língua...