sábado, 31 de março de 2007

James D. Watson

James D. Watson, o cientista que há 50 anos atrás descobriu a estrutura da molécula de ADN, e que é também membro do Conselho Científico da Fundação Champalimaud, esteve em Portugal . Numa interessante entrevista ao jornal Público, tenho que destacar algumas das suas frases:

* * * * * * * * *

(...)
Os cientistas já percorreram 80 por cento do caminho na compreensão do cancro. Os próximos dez anos serão cruciais na aplicação dos conhecimentos que temos para curá-lo.
(...)
Também resolveremos o clássico problema do inato versus adquirido. Os portugueses falam mais alto e são mais expressivos do que os suecos. Esta personalidade dos portugueses está nos genes ou é cultural? É do tempo, do sol, ou está nos genes? Será que alguém teve sucesso na carreira por ter tido uma boa educação e pais bons ou porque possui bons genes? Não sabemos. Desde sempre que as pessoas falam do facto de sermos diferentes. Ao olharmos para gémeos idênticos criados separadamente, começámos a ter uma ideia da componente genética de um dado traço. Agora podemos descobrir se as causas são genéticas. Daqui a dez anos seremos capazes de dar uma resposta.
(...)
Toda a gente está fascinada com o cérebro, é a grande fronteira. Não sabemos como a informação é armazenada no cérebro, que comportamentos são herdados ou como é que os genes levam à organização do cérebro. O século XX foi o da junção entre a química e a biologia. O século XXI será o da junção entre a psicologia e a biologia.
(...)
A molécula de ADN é como um deus?
No sentido em que controla e determina o futuro, sim. Mas é o ADN que determina o futuro e não um potencial Deus. Essas são as minhas crenças. Não acredito num Deus pessoal que interfere com as nossas vidas. Não acredito que a oração ajude.

* * * * * * * * *

COMENTÁRIO: O que mais sobressai na entrevista é o fascínio pela ciência e a convicção de que a evolução científica trará benefícios inevitáveis à humanidade. Nessa perspectiva, a sua visão positiva é muito animadora. Quanto a esta última frase, tanto quanto eu julgava saber, o ADN não determina o futuro, mas apenas o condiciona, na medida em que deixa em cada ser humano o registo de um conjunto de aptidões e inaptidões que se podem manifestar (e desenvolver) ao longo da sua vida. No que toca às opiniões sobre Deus, estou em desacordo com o Dr. Watson.

6 comentários:

Alexandre Nuno disse...

Esta é a razão por que a ciência médica está tãoooo atrasada. Séc XXI e ainda não consegue compreender os mecanismos de uma simples gripe, para poder curar as suas causa, quanto mais cancro. Boa sorte cientistas. Inspirem-se com Abdúl-Bahá por ex. Muitas descobertas científicas começam por momentos de inspiração, ou meditação, ou oração...Boa Marco, continua a por as pessoas a pensar.Abraço

Marco disse...

Alexandre Nuno,

Não creio que a ciência esteja atrasada, nem que os seus insucessos se devam ao facto de alguns cientistas não acreditarem na existência de Deus.

É verdade que algumas evoluções científicas e técnicas foram conseguidas graças à fé (ou à intuição) de alguns cientistas.

Mas não acredito que a evolução científica fique bloqueada pela falta de convicção religiosa de nenhum cientista.

Pedro Fontela disse...

Nem sei como é que os monges medievais não conseguiram chegar ao motor de combustão interna!! Afinal de contas tinham tanta religião nas suas vidas...

GH disse...

Acreditar ou não na existência de Deus nada tem a ver com o desenvolvimento científico.

No entanto, houve algumas fantochadas (tipo criacionismos, pensar que o mundo é plano, ou que todos os astros giram em torno da terra) que tiveram origem em interpretações Bíblicas e que condicionaram o progresso científico.

Mas aí a culpa é dos tipos que faziam essas interpretações. Não é culpa da religião como um todo.

Elfo disse...

Olá Marco, adorei a transcrição da entrevista e, partilho do que disseste, no entanto, se a Ciência andar de mãos dadas com a Religião, só pode trazer benefícios para a Humanidade. Bahá'u'lláh preconiza isso mesmo. Quanto ao facto de o ADN ser como um deus..., bom, a interpretação ou a tradução do Dr. Watson fica aquém do que se sabe acerca do ADN. Por exemplo já se sabe que através da hereditariedade temos em nós conhecimentos que nos chegaram desde o tempo em que homem começou a dar os primeiros passos neste grão de areia à deriva no espaço. Sua Santidade O Buda pregou a reminiscência do passado através das gerações que nos precederam e isso foi entendido como reencarnação ou Karma a que a Roda da Vida nos sujeitaria até atingirmos aquele conhecimento que nos elevaria ao Nirvana, livrando-nos assim da roda das reencarnações. Mas tal como o Dr. Watson as interpretações foram feitas segundo as capacidades de cada um.
Bahá'u'lláh disse: "Nem tudo o que um homem sabe, pode ser revelado, nem tudo o que lhe é possível revelar deverá ser julgado oportuno, nem todo o dizer oportuno pode ser considerado adaptável à capacidade dos que o ouvem."

Provavelmente foi isto que aconteceu com as palavras de Buda. Já sua Santidade O Chrystos tinha dito:"Muitas coisas tenho para vos dizer, mas vós não as suportarieis."

Pedro Fontela disse...

gh,

A culpa é da politização da religião e da ciência. Não tenho a mais pequena dúvida que isto não se trata de um dilema de cientistas, para isso existem foruns próprios. É um certo grupo que usa os conceitos religiosos como um aríete social, uma capa para as suas ideias. Triste é ver que muito religioso (dentro e fora das hierarquias) acredita nesse disparate.