quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Diálogo inter-religioso à moda do Sr. Ahmadinejad

O encontro de Ahmadinejad com lideres cristãos em Nova Iorque.
Photo ©New York Times


Mahmoud Ahmadinejad lá vai prosseguindo o seu espectáculo mediático em Nova Iorque. Segundo relata o New York Times, o presidente Iraniano, esteve presente num
.. encontro amigável, e até caloroso, com lideres cristãos dos Estados Unidos e do Canadá, convictos de que o diálogo é o único caminho para evitar a guerra.
A reunião teve lugar no dia 26 de setembro e foi organizada por Menonitas e Quakers; o local foi o Church Center das Nações Unidas. Entre os palestrantes estavam um Quaker, um Católico, um Anglicano, um Baptista e um representante de conselho Mundial das Igrejas. Cerca de 140 representantes de outras religiões também estiveram presentes, mas nenhum líder judeu concordou em participar.

O NY Times escreveu:
“Fiquei com o coração despedaçado por ter havido tão pouco apoio de outras religiões para estarem presentes” afirmou Mary Ellen McNish, secretária geral do American Friends Service Committee, um grupo Quaker que ajudou a patrocinar o evento. “Se não avançarmos no caminho do diálogo, vamos acabar em confrontação”
Apesar das boas intenções do encontro houve um pormenor que não escapou ao NY Times: os Bahá'ís foram convidados para reuniões anteriores, mas os Iranianos recusaram estar presentes se os Bahá'ís lá estivessem. Palavras para quê? É o diálogo inter-religioso à moda do Sr. Ahmadinejad!

Para quem pensa que isto é o Islão, lembro que os muçulmanos que encontrei na Mesquita de Lisboa aquando da visita do Dalai Lama receberam todos os participantes com a maior cortesia.

----------------------------------------------------------
Link alternativo para a notícia do NY Times: Ahmadinejad Meets Clerics, and Decibels Drop a Notch

3 comentários:

João Moutinho disse...

A responsabilidade não é menor por parte de Mary Ellen, foi cúmplice na exclusão d eum grupo religioso.

SAM disse...

Eu nem percebo o que ele lá foi fazer. Ele é o representante político de uma população, não o seu representante religioso.

GH disse...

Pois é malta!
Agora concordo totalmente com vocês.