domingo, 25 de novembro de 2007

Quem esquece o passado...



"A proposta de edificação de um memorial às vítimas do massacre judaico de Lisboa de 1506, agendada para discussão e aprovação pela Câmara Municipal de Lisboa para o passado dia 31 de Outubro, foi adiada "sine die" e corre o risco de ficar esquecida ou subvertida no seu sentido cívico. Em nome da memória do horrendo crime cometido em Lisboa nos dias 19, 20 e 21 de Abril de 1506, que vitimou milhares de cristãos-novos baptizados à força pelo Rei D. Manuel I em 1497, os cidadãos signatários desta petição reclamam da Câmara Municipal de Lisboa que mantenha e execute a proposta tal como foi concebida e na simbólica data prevista de 19 de Abril de 2008."

Assinemos a petição!

2 comentários:

Carlos Moreira disse...

Ao ler a peça “Olinda, Olinda!”, uma adaptação teatral de Zelmo Denari, tive conhecimento de um fato ainda pouco lembrado aqui o Brasil.
O fato de que a primeira obra poética produzida neste país foi realizada por um cristão-novo. Antônio Teixeira, seu autor, contudo, foi preso em agosto de 1595, acusado de práticas judaizantes e levado para Lisboa, pelo Santo Ofício. Em 1601, Prosopopéia foi publicada em Lisboa.
Outro aspecto que já foi objeto de estudo e também tema de publicação em revista de grande circulação por aqui (Veja), foi a fuga dos judeus saídos de Recife em direção ao EUA, Nova Iorque, onde seria mais tarde conhecida como Manhattan.

Marco disse...

Recife!
Quando estive de lua de mel no Brasil tirei uma foto frente à sinagoga do Recife.
:-)

Desconhecia completamente a história da fuga de judeus do Recife para NY.