sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

O que tem um nome?



Uma professora inglesa foi presa no Sudão por ter dado o nome “Maomé” a um ursinho de peluche. Segundo os media, houve grande agitação entre os fundamentalistas islâmicos no Sudão; os islamofóbicos regozijaram-se com mais esta prova das suas convicções... Houve quem considerasse isto um acto típico de países sub-desenvolvidos; e houve quem lembrasse a necessidade de respeitar aspectos fundamentais nas diferentes culturas dos povos do mundo.

Não sei como é que a maioria dos Bahá'ís vê esta história. Na minha opinião foi o Islão que saiu ridicularizado. Mas pergunto-me o que aconteceria se aparecesse um cavalo chamado Bahá'u'lláh... Pensam que não podia acontecer?

Na verdade isso aconteceu. Foi em 1951, durante uma competição (a Racing Conference, na Nova Zelândia). Tudo se resolveu de forma amigável; a pedido dos Baha'is os organizadores acabaram por mudar o nome do cavalo. Shoghi Effendi referiu-se a este episódio. Numa carta escrita em seu nome lê-se:
"O Guardião ficou satisfeito por saber que a Racing Conference alterou gentilmente o nome daquele cavalo a quem tinham chamado Bahá'u'lláh".

4 comentários:

João disse...

Olá Mário...concordo inteiramente contigo quando dizes que o islão saiu ridicularizado deste episódio e acho que não é um episódio sequer comparável ao do cavalo.
Em relação ao episódio do cavalo pode-se é especular um pouco e imaginar como é que reagiriam as autoridades bahais a ele se por acaso vivessemos num mundo de maioria bahai. Para quem aceitar o desafio aqui fica o repto.
Um abraço!

Dad disse...

Oy Amigo!

Espero que esteja tudo bem contigo e com os teus.
Li o teu interessante post e acho que o melhor é não se ligar grande importância às provocações, pois isso faz com que os provocadores se sintam fortes quando afinal são extremamente fracos e por isso é que são provocadores. É uma das armas que conhecem...

Bom fim de semana, mesmo com os apitos das sirenes da Cimeira, aqui para os nossos lados...

Beijinho,

Marco disse...

João,
Podia especular sobre o que aconteceria se o episódio do cavalo tivesse acontecido numa sociedade maioritariamente baha'i.

E daí?

Penso que esse tipo de especulações não levam a lado nenhum.

Marco disse...

Dad,
Eu não sei se esta história do cavalo foi uma provocação ou uma coincidência.

Hoje além das sirenes vi imensos aviões velhos e barulhentos a aterrar em Lisboa. Vamos ver se este encontro tem algum resultado positivo.