sábado, 25 de outubro de 2008

Nito (Sebastião Silvestre Junior)

Graças a um amigo bahá’í, obtive um vídeo (já com 14 anos) de um dos mais conhecidos músicos bahá’ís de Portugal: Sebastião Silvestre Júnior, mais conhecido por Nito. E se pensarmos que o Nito faleceu há 10 anos, creio que a maioria dos bahá’ís não hesitará em classificar esta pequena relíquia com um documento histórico.

Aqui fica o vídeo (que teve de ser dividido em duas partes):





Quem foi o Nito?

Sebastião Silvestre Júnior (conhecido pelos bahá’ís com «Nito») nasceu em 24 de Março de 1956 em Moçâmedes, em Angola. Era filho de um português de Castelo Branco e de uma princesa Cuanhama, chamada Petrussa Kashilula.

Durante a sua infância ficou a cargo de uma Instituição, onde um padre lhe ensinou a tocar viola.

Estudou em Sá da Bandeira, onde formou uma banda (os «Kuanza»). Tocavam em Hotéis e Igrejas (que dizem que se enchiam para os ouvir)

Fugindo à guerra civil de Angola veio para Portugal numa época de grande agitação política e social.

Em 1975, conheceu a Fé Bahá’í em Tróia (Setúbal), e rapidamente a mensagem de Bahá’u’lláh se tornou uma prioridade central da sua vida.

A sua voz e o seu talento musical tornaram-no uma figura muito popular entre a Comunidade Bahá’í de Portugal. A maioria dos Bahá’í portugueses consideram que ele é o autor das mais bonitas canções bahá’ís em língua portuguesa. Os seus filhos (que hoje vivem em Portugal, Inglaterra, Holanda e Moçambique) herdaram o seu talento artístico.

Diga-se como nota de curiosidade que o Nito tinha Carteira Profissional de Músico, apesar de não saber ler pautas de música.

Em 1998, foi vítima de uma acidente de viação em Moçambique, tendo vindo a falecer num hospital Sul-Africano em 2 de Agosto desse ano.

O seu corpo está hoje sepultado no Maputo.

(Apontamento biográfico recolhido com a ajuda de Stella Rodrigues)

5 comentários:

Alexandre disse...

O Nito marcou a minha infãncia.Era uma personalidade do meu imaginário, nesta família bahá´i. Um bom amigo e com quem aprendi bastante. Espero que ele esteja feliz, ouvindo e cantando com o Rouxinol do Paraíso.Até um dia Nito.

(obrigado Marco)

Naim disse...

Nito brought happiness and spirituality to my heart. I never forget him. May God bless his soul - even more.

Anónimo disse...

Saudoso amigo Nito. Figura marcante para vários baha'is vindos de fora que, assim com eu e minha esposa, chegaram a Portugal no inicio dos anos oitenta. Tivemos muitos bons e divertidos momentos juntos. Ele, principalmente, era a alegria das nossas reuniões. "Golden moments moving by..." Cori

João Moutinho disse...

No Sábado fui ao "Bar do Além" e aí falei da Fé Bahá'í...

m disse...

sem duvida uma reliquia e um documento historico! estou banhada em lagrimas :) o Nito (que faz parte das memorias de infancia de "todos" nos) a cantar... mas tb a Ermelinda a cantar, a Hilda a cantar... a Nora sempre igual! :) reparar nalgumas expressoes do Nito tao parecidas com as do Daniel (ou sera ao contrario?)... o Shahryar, o Eric, ate a Natacha na sua camisola de Pocahontas, que agora estao a dar continuidade a esta bencao que e o uso das artes na Fe...

fez-me lembrar uma palestra a que assistimos aqui ha tempos sobre a Mao da causa, Sr Featherstone, dada pela sua filha... uma coisa que ela comentou e que o pai estava constantemente a tirar fotos, a registar os eventos, compilava tudo com muito cuidado, porque dizia que era "history in the making".

Acho que isto tb foi history in the making - as vezes nao nos apercebemos no momento.

obrigada Marco, obrigada Eduardo, obrigada Stella, obrigada Nito.

e desculpem o comentario tao longo. :)