quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Good luck, Mr. President!


Independentemente das leituras políticas que se possam fazer, ninguém deixará de reconhecer que este é um momento histórico. Barack Obama foi eleito 44º Presidente dos Estados Unidos. O dia é histórico para a América e para o mundo espera começar a ver outra imagem desse grande país.

Não consigo imaginar a dimensão e o âmbito dos desafios que aguardam o Presidente Obama. É certo que ele não é nenhum messias, nem tem nenhuma solução mágica para resolver todos os problemas que hoje assolam a América e a Aldeia Global. Certamente que conseguirá as suas vitórias e também terá a sua dose de insucessos. E terá aquela momentos em que não lhe será possível tomar a melhor decisão, mas apenas a decisão menos má.

Assim, faço votos que Barack Obama esteja à altura do desafio e que a história o recorde como um grande presidente.

3 comentários:

GH disse...

Isto também não significa que a sociedade americana deixou de ser racista.
Mas se elegeram um afro-americano, então podemos concluir que os americanos estão menos racistas.

Quanto aos trabalhos que ele tem pela frente, agora é que começa a parte dificil do trabalho. Entre as promessas e os actos há uma distância que nem sempre é precorrida.

Já agora: quanto tempo vamos ter de esperar para ver um país africano eleger um(a) branco(a)?

João Moutinho disse...

Geneticamente ele será tão africano como o Eusébio.
Em todo o caso a sua ancestralidade paterna vem do Quénia, donde creio provir a raça humana.
Tanto quanto sei em Angola há ministros que são brancos. E já na África do Sul havia africanos a elegerem brancos para Presidente. A questão é se africano (ou europeu ou outro grupo étnico) vale por "jus solis" ou "jus sanguinis".
A ver se a malta tem juízo antes que a Gronelândia derreta.

João disse...

Caro gh, o unico país africano que tem uma minoria branca comparável (em termos percentuais) à minoria negra na América é a Africa do Sul mas duvido que alguém aí tenha saudades dos presidentes brancos (na altura em que os negros não votavam, lembre-se)!
O valor simbólico da América ter elegido um presidente negro (se fosse na Africa do Sul ou em Angola seria mulato!) é enorme, mas a importância da eleição de Obama vai para além disso, o mais importante é alguém ter vencido não por se apresentar como um messias com soluçóes para tudo, mas por ter feito as pessoas acreditar que elas podem ter um papel importante a desempenhar.
Tal como o Marco só posso desejar: "Good luck, Mr. President)!