domingo, 15 de agosto de 2010

Ciência e Religião (2)


"Para muitos pensadores científicos, aquilo que tradicionalmente temos chamado «Deus» aparece agora como sendo demasiado pequeno para eles. É esta a razão por que alguns cientistas se têm virado para as filosofias religiosas orientais e para outras formas de misticismo para satisfazer o seu desejo, bem humano, de horizontes infinitos.

De qualquer modo, a teologia tem de se esforçar para garantir que a nossa noção de Deus não é menor do que a epopeia da evolução cósmica e biológica. Muitos de nós criamos as nossas impressões de Deus quando somos muito novos, e ainda que cresçamos e os nosso intelectos se desenvolvam, o nosso entendimento de Deus muitas vezes não cresce connosco. Para muitos cientistas e outras pessoas com formação, a consciência de um Deus «pessoal» vai-se perdendo nas cada vez mais vastas imensidões do tempo e do espaço. Torna-se para eles difícil participarem em formas tradicionais de culto porque «Deus» parece muito menos grandioso do que o cosmos. Muitos cientistas perdem o interesse na religião não por preguiça ou má vontade, mas porque os formadores religiosos, pastores e pregadores não conseguem apresentar Deus em termos que sejam proporcionais à nova perspectiva evolucionista da Natureza."

John F. Haught, Cristianismo e Evolucionismo, p. 73

2 comentários:

Rita disse...

Actually... quando se têm à frente, in vivo, demonstrações, da maravilhosa máquina 'Natureza', há poucas palavras ou ideologias que consigam conter um 'Deus'...

Marco disse...

Rita: por isso é necessário questionar e rever o conceito de Deus.