sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Construiram o Centro Cultural Khavaran sobre as ruínas de um Cemitério Bahá’í

Por Shadi Sadri. (originalmente publicado em persa no Facebook; traduzido para inglês por IranPressWatch)

Centro Cultural Khavaran, Teerão
Decorria o ano escolar de 1995-1996. Estava no último ano do curso de Direito e preparava-me para apresentar o meu trabalho final. Tinha um emprego no jornal Aftabgardan, uma publicação dependente do jornal Hamshahri. Passei a trabalhar em part-time e fiquei responsável pela página “Setareha” (Estrelas). O meu trabalho consistia em escolher artigos para um público juvenil, editando-os e publicando-os. Decidiu-se organizar uma Feira do Livro para Crianças e Jovens numa 6ª feira. Anunciámos o evento dizendo às crianças que podiam trazer livros usados para vender e também podiam comprar livros.

Nessa época vivia-se o momento alto dos Projectos de Desenvolvimento Cultural de Karbaschi, na sede do município de Teerão. O Centro Cultural de Khavaran tinha sido recentemente inaugurado.

Foi decidido que a “Feira do Livro” teria lugar no Centro. No dia anterior, fui com os meus colegas organizar o local, colocar preços nos livros e garantir que apenas havia livros infantis e juvenis em exposição. A caminho do Centro todos falavam como Karbaschi tinha convertido uma zona deserta e um matadouro num Centro Cultural elegante e moderno. Pouco depois cheguei ao local e fiquei surpreendida com a beleza do Centro, com as suas salas e auditórios, naqueles anos tristes e cinzentos.

As pessoas tinham trazido tantas caixas de livros que ficámos durante toda a noite a colocar preços, a elaborar listas de livros e a remover livros que não eram para crianças.

Vinte anos mais tarde estou em 2015 e a quilómetros de distância daqueles dias de trabalho na Secção Infantil e Juvenil do Centro Cultural. Recentemente iniciei no Justice for Iran um projecto de investigação sobre Bahá'ís que desapareceram e foram executados. Numa conversa via Skype com um Baha'i bem informado, ele explicou-me a história do actual cemitério Baha’i de Teerão e afirmou: “Quando o antigo cemitério foi arrasado e destruído, fizeram o novo Centro Cultural nesse local”. Interrompi-o e corrigi-o. Disse-lhe que o Centro Cultural Khavaran tinha sido construído numa zona deserta. A resposta foi clara: “Não, o Centro Cultural foi construído sobre as ruínas do cemitério Bahá’í”. Calei-me. Vieram-me as memórias daquela noite de trabalho no Centro Cultural em que classifiquei e coloquei preços nos livros. Ele continuou: “A minha mãe estava lá sepultada”.

Continuámos a conversa e disse-lhe: “Sempre nos foi dito que Karbaschi converteu um matadouro e um deserto num Centro Cultural.” Ele ficou em silêncio. Ambos recordávamos aqueles dias do passado. Acrescentei: “Fizemos lá uma Feira do Livro”. Ele fez um sorriso amargo e disse: “Desenvolveram a vossa cultura em cima de campas profanadas dos Bahá’ís...” e depois ficámos calados. Passado um momento continuámos a falar sobre o principal tema da nossa conversa.

Nesse dia, e muitos dias depois, pensei naquela frase terrível e na história que tinha sido censurada, sempre distorcida aqui e ali. O passado parecia ter linhas paralelas que nunca se encontravam.

O sentimento de vergonha por não conhecer a história do terreno daquele edifício moderno em que trabalhei tão orgulhosamente nunca me abandonou. E nunca me abandonará.

Será possível que estas linhas paralelas alguma vez se encontrem?

A construção do Centro Cultural Khavaran nas ruínas do cemitério Bahá'í juntou estas linhas paralelas.

------------------------------------------
FONTE: Building Khavaran Cultural Centre on Ruins of Baha’i Cemetery! (IranPressWatch)

* O seguinte link mostra o Centro Khavaran. Este edifício ganhou o prémio Agha Khan de Arquitectura em 2007. Este prémio exige que os arquitectos respondam a um questionário detalhado sobre o uso, o custo, os factores ambientais e climáticos, os materiais de construção, o calendário de actividades, o desenho e o significado do projecto.

Sem comentários: