terça-feira, 29 de março de 2005

Terry Schiavo

Nos EUA aproxima-se do fim o terrível drama de Terry Schiavo. Como em todos estes casos que recebem atenção mediática, o drama pessoal de Terry foi ficando encoberto por um conflito de interesses entre o marido e a família de Terry. Ambas as partes foram apoiadas por diferentes grupos de pressão que inevitavelmente assumem posturas quase fanáticas em torno da vida de Terry. Quantas destas pessoas que opinam sobre o assunto sabem o que é enfrentar um dilemas destes? Quem nunca passou por este problema conseguirá imaginar o desgaste emocional desta situação para todos os envolvidos?

Até hoje fui poupado a um drama destas dimensões. E peço a Deus para nunca ter de suportar uma tal situação. Estranhamente, no meio desta história, percebo a um importância de um ensinamento baha'i: a necessidade de redigir um testamento. Se esse testamento contemplar a nossa vontade sobre o que fazer numa situação de morte cerebral, ou existência vegetativa, talvez isso minimize o desgaste emocional e o sofrimento dos meus familiares se alguma vez me encontrar numa situação destas.

2 comentários:

O Velho da Montanha disse...

Meu caro, se quer que lhe diga, tenho muito mais pena da rapariga do que dos familiares. Teremos a certeza de que estes 14 dias de privação de alimentação e hidratação não terão sido um suplício sem nome? Eu não tenho essa certeza. Um abraço.

Marco disse...

Concordo, meu velho!
No meio disto tudo nunca ficou claro qual teria sido a vontade dela.
Daí a necessidade de uma pessoa fazer testamente que inclua - entre outras coisas - qual a sua vontade se se encontrar numa situação destas.
Mas aos 26 anos quem é que se preocupa em fazer um testamento?