terça-feira, 30 de maio de 2006

Religiões: História, Textos e Tradições


Com o lançamento do livro "Religiões: História, Textos e Tradições" concluiu-se um dos mais interessantes projectos inter-religiosos em que estive envolvido. O projecto tinha por objectivo a produção de uma obra que desse a conhecer as grandes religiões mundiais e fosse elaborado pelas diferentes comunidades religiosas que existem no nosso país.

Na cerimónia de lançamento, o Ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, classificou o livro como "a semente de um nova etapa do diálogo inter-religioso". Na verdade, ao dar a conhecer num único volume (com quase 900 páginas) a história, os textos sagrados e as tradições das grandes religiões mundiais, as comunidades religiosas do nosso país lançaram uma obra capaz de fomentar o conhecimento e respeito mútuo entre as religiões.

Esta obra colectiva - expressão do entendimento entre as comunidades religiosas no nosso país – levará a estudantes e investigadores do fenómeno religioso um manancial de informações sobre o património religioso da humanidade. E se considerarmos que as grandes religiões mundiais sempre inspiraram diversas civilizações e condicionaram a organizações de tantas e tão diversificadas sociedades, percebemos que o livro pode ainda ser considerado um testemunho da evolução humana.

O facto do livro ter recebido o apoio da Presidência do Conselho de Ministros (através da Estrutura de Missão para o Diálogo com as Religiões) é um outro sinal positivo deste projecto. Por um lado, o Estado Português reconhece a importância do diálogo inter-religioso para a tranquilidade e bem-estar social; por outro, enfatiza uma linha de acção laica cooperativa com as comunidades religiosas que tem sido o apanágio desta 3ª República.

11 comentários:

João disse...

A este nivel parece-me também que o Estado está no bom caminho.

João Moutinho disse...

É gratificante ver esta mudança de comportamento que vamos assistindo na sociedade lusa, que se habituou a viver num grande monolitismo.

Elfo disse...

Estavavam quase lá... só lá faltam o Sabeanismo - Adão -, Zoroastrismo - Zoroastro - e, o Babismo - Sua Santidade O Báb.

Mas compreendo que seja difícil encontrar textos aqui em Portugal acerca destas três Religiões Independentes. ?!?!?!

Por exmplo os Rosacruz têm têm os testos Sagrados de Zoroastro traduzido para português.
Acerca de Zoroastro temos mesmo na comunidade Bahá'í amigos provenientes dessa religião antiga.
Quanto ao Sabeanismo existem ainda sabeus no que hoje é conhecido como Yemen, outra chamado de Sábá - donde aparece a Rainha de Sábá.
Aliás há estudos - passou um documentário a semana passada no canal Odisseia -, que provam que o lendário Jardim do Edem ficava no hoje é um deserto do Yemen.

Elfo disse...

Errata


Estavavam quase lá... só lá faltam o Sabeanismo - Adão - ver a Revelação de Bahá'u'lláh, por Adib Taherzadeh (1922-2000), 1º volume.
Zoroastrismo - Zoroastro - e, o Babismo - Sua Santidade O Báb.(Aqui compreende-se que esteja junto com a Fé Baháí, pois são os Mensageiro Gémeos)

Mas compreendo que seja difícil encontrar textos, aqui em Portugal, acerca destas três Religiões Independentes. !?!?!?!?

Por exemplo os "Rosacruz" têm os textos Sagrados de Zoroastro traduzidos para português, de Portugal.(Já os li)
Acerca de Zoroastro temos mesmo na comunidade Bahá'í amigos provenientes dessa religião antiga.
Quanto ao Sabeanismo existem ainda sabeus no que hoje é conhecido como Yemen, outrora chamado de Sábá - de onde aparece a Rainha de Sábá que dá conhecimento das suas minas ao Rei Salomão -, ainda existem no Iraque, no Afganistão e no Paquistão e são, segundo reza a história, os mais antigos lapidadores de diamantes e pedras preciosas do mundo.Segundo se diz são melhores que os lapidadores de Génova, capital dos lapidadores de diamantes e outras pedras preciosas.
Aliás há estudos - passou um documentário a semana passada no canal Odisseia -, que provam que o lendário Jardim do Eden ficava no que hoje é um deserto do Yemen do Norte.

João disse...

Elfo, o Marco melhor o dirá, mas penso que o objectivo do estudo se prende em dar a conhecer religiões que ainda existem nos nossos dias e com uma representatividade, ainda que minima, em Portugal!

Marco disse...

Elfo,
O propósito deste livro é dar a conhecer as grandes religiões mundiais que têm alguma representatividade em Portugal. As religiões escolhidas estão naquilo que alguns teólogos chamam as "big six". Por este motivo, não estão incluídos neste livro religiões tradicionais africanas, americanas ou asiáticas.

Elfo disse...

Bom, por acaso, Mircea Eliade até desconhece a Fé Bahá'í como uma religião, e, na antiguidade dizia-se que o cristianismo era uma seita hebraica.

Ontem, também por acaso, quando estava a fazer um trabalho pesquisa acerca daquilo a que eu chamaria de lacunas; encontrei uma citação de Shogui Effendi que dizia que Abraão era sabeanista, ou seguidor de Sabean.

João disse...

Elfo...por acaso cá em Portugal há muitos Sebastianistas, de certa forma também é uma religião:-)

Pitucha disse...

Parece ser um livro interessante.
Vai para a minha lista de compras a realizar numa próxima ida a Lisboa.
Beijos

João Moutinho disse...

João,
Essa dos "Sebastianistas" é gira.
Desconfio que no próximo mês a religião lusitana venha ter como local de culto a terra de Goethe...

Elfo,
Não sabia que Abraão seguia a religião sabeanista, tinha como hipótese provável que Ele pudesse ter sido o Fundador.

Elfo disse...

Abraão era apenas um Profeta, nunca fundou uma Religião independente. Não tem nenhum Livro, nem tem um calendário.