sexta-feira, 5 de outubro de 2007

O Hezbollah está atento e odeia os Bahá'ís


"O Hezbollah está atento e odeia os Bahá'ís" lê-se na frase escrita na parede de uma casa em Abadeh no Irão. É um excelente exemplo do ambiente em que vivem hoje os Bahá'ís iranianos. Além dos estudantes impedidos de entrar nas universidades, há cemitérios destruídos, casas incendiadas, estabelecimentos vandalizados, inscrições com ameaças deixadas nas paredes (semelhantes à da foto), detenções arbitrárias, cartas anónimas com ameaças, distribuição de panfletos difamatórios (ver aqui e aqui) contra a religião bahá'í...

Sempre disse que o que a situação dos Bahá'ís não é o problema mais grave que se vive no Irão; mas o conjunto de incidentes que se tem vindo a registar nos últimos meses mais parecem uma campanha organizada destinada a encobrir outros problemas bem mais graves daquele país. E a história Bahá'í no Irão mostra que este tipo de incidentes são o prelúdio de perseguições mais vastas.

Agora no clima de hostilidade contra os baha’is que o governo iraniano tem vindo a fomentar surge um novo protagonista: o Hezbollah.

Considerando que o Hezbollah (que em português significa “Partido de Deus”) é uma invenção iraniana, não surpreende que também quisessem “dedicar algum tempo” aos Bahá’ís. Só não percebo que o ódio ao nosso semelhante possa fazer parte dos ensinamentos de uma religião. É uma enorme contradição. E é também um sinal que os fundamentalistas não aprenderam nada com a história.

Eu não odeio o Hezbollah; mas vou ficar atento.

----------------------------------
ACTUALIZAÇÃO

O vídeo seguinte foi feito no Irão e mostra o resultado da destruição do cemitério de Najafabad, no passado dia 7 de Setembro.



-------------------------------------------
A ler: Iranian government campaign against Baha'is shows new facets (BWNS)

6 comentários:

Dad disse...

Puxa! Já nem os mortos escapam à ira, à raiva a todos os sentimentos de tudo o que de pior existe na Humanidade...

Para eles (mortos) realmente não interessa muito o que farão com os seus despojos por já não estão ali, mas meu Deus, para quê tanto ódio nesta tão "pequena" família humana???

Um beijinho para ti e família.

GH disse...

Parece que o Hezbollah já não tem mais ninguém para chatear!

Anónimo disse...

Se hezbollah significa partido de Deus, e se Deus é Amor, a todos sem
excepção, "Todos somos filhos de Deus", então o partido de Deus não
pode odiar ninguém, se odeia é porque não é de Deus,é dos homens e de
homens que usam e abusam do nome Deus para seus ódios.

Daniella disse...

Ainda para eles isto não representa só ódio e ainda menos a raiva...
Eles pensam que estão a prestar um serviço ao Islão...
Dias atrás li em algum lugar que secretário dos Direitos Humanos iraniano diz que não é por ter vergonha que as vezes deixam de executar a sentença de apedrejamento porque ela não é tortura nem uma punição inadequada...
E ele explicou que o conceito dos direitos humanos para eles é diferente, é um assunto muito delicado...
O que o mundo ocidental considera uma violação aos direitos humanos para eles é absolutamente conforme a lei e a consciência ...
Ainda salientou que apedrejamento é uma sentença mais leve do que a morte...
Ele até deu o exemplo de adultério que no ocidente é muito comum, banal, mas para eles é um acto gravíssimo e merecedor da punição prevista no Islão...

Stella disse...

A visualização deste vídeo deixou o meu espírito num silêncio suspenso, uma preocupação que vai muito além do acto (até porque é uma violação repetitiva) e se projecta no futuro próximo.

Como podem estas almas orar e agir como se atormentadas fossem? Outra contradição. Quem ora encontra paz, maior clareza de visão, reequilibrio. Estranho...

Bjs
Stella

Anónimo disse...

Bahá’u’lláh e Abdu’l-Bahá, dois exemplos vivos da Revelação na Fé Bahá’í, nos ensinaram a ter pensamentos puros, porque tudo tem origem no pensamento.

“ Possue um coração puro, bondoso e radiante para que seja tua uma soberania antiga imperecível e eterna”, diz Bahá’u’lláh no Livro Palavras Ocultas.

Quando verbalizamos pensamentos, ainda que estes não sejam puros e constituam expressões de ódio, em privado, isso é tolerável e se pode tentar compreender à luz das limitações humanas, e frequentemente os psicólogos e psiquiatras no seu trabalho ouvem expressões de ódio, muitas vezes consequências de injustiças, e isso é ou pode ser aceitável e compreensível.

O que já não é compreensível, muito menos aceitável, é que o ódio, se expresse em violência, isto se as pessoas estão no uso das suas capacidades mentais, num doente mental pode indiciar a sua doença, e aí deve ser tratado com calmantes e compensadores químicos, dos processos químicos cerebrais que se manifestam em delírio, psicose e podem levar à violência.

Um líder não pode promover publicamente ou secretamente, implicitamente ou explicitamente o ódio e a violência, está a promover a doença mental e social a injustiça e o crime.

Alguém que perpetra ou promove actos de violência, na posse das suas capacidades mentais é um criminoso e deve ser tratado como tal pela justiça, se não está na posse das suas capacidades mentais, é um doente e deve ser tratado por psiquiatras.

Os Tribunais Internacionais e Governos do Mundo, não podem permitir que actos de violência e privação das liberdades e direitos humanos internacionais básicos, como o direito à crença religiosa, o direito à vida, à cidadania, a ter um bilhete de identidade do seu país, ao trabalho, à propriedade, à movimentação física, à informação e ao conhecimento, pelo acesso e permissão de manutenção nas universidades, sejam perpetradas sistematicamente contra um grupo religioso, em qualquer país do mundo, ainda por cima tratando-se de um grupo como os Bahá’ís, que são activos em todo o mundo na promoção da justiça por meios pacíficos e trabalham para o bem comum.

O líder espiritual dos budistas tibetanos, Dalai Lama, em visita à Mesquita de Lisboa, comparou a Religião à Cura e os ensinamentos das Religiões a medicamentos.

Não há dúvida que a Humanidade está doente e que necessita desesperadamente dos Medicamentos puros da Religiões Mundiais para a sua Cura.

Todos os ensinamentos religiosos puros, sem manipulação humana, são medicamentos para a Cura das Nações e da Humanidade.

Quando o líder da República Islâmica do Irão, nas Nações Unidas ao ser interpelado sobre o destino da Fé Bahá’í no seu país, perguntou, quem é o Mensageiro Divino ou Profeta da Fé e onde ele se revelou, levantou-se sem deixar ninguém responder, desejou boa sorte e convidou todos para vir para o Irão, eu responde-lhe, O Mensageiro Divino é Bahá’u’lláh, e Inicio a Sua Revelação pública em 1863 D.C. em Bagdad, no actual território do Iraque.

Quando se fazem perguntas, espera-se por uma resposta, a resposta está dada.

Se a humanidade investigar e tentar aplicar os ensinamentos, ou medicamentos de Bahá’u’lláh , O mais próximo de nós dos Mensageiros Divinos, 1817- 1892 D.C., eu tenho a certeza, que mais Justiça, mais sinceridade e saúde mental e física e social, serão como consequência usufruídas pela humanidade e cada um dos seus membros, sejam eles quem forem.

A Justiça é a mais amada de todas as coisas aos olhos de Deus, diz Bahá’u’lláh, A cortesia o príncipe das virtudes.

Convido-os a investigar os ensinamentos de Bahá’u’lláh para a Cura das Nações e Povos do Mundo e a tentar aplicá-los nas nossas vidas diárias, acredito sinceramente que haverá mais saúde mental e social, mais justiça e compreensão, mais Sabedoria e compaixão, mais Amor, mais equilíbrio e moderação, mais positividade.

Eduardo