quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Jesus Cristo: o Caminho de Deus

Por Maya Bohnhoff


Quando Cristo pronunciou essas palavras tão frequentemente citadas "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém pode ir até ao Pai senão por mim" (João 14:6), Ele acrescentou: "Se ficastes a conhecer-Me, conhecereis também o meu Pai. E já O conheceis, pois estais a vê-Lo."

O sacrifício de Cristo - e não apenas na cruz, mas ao longo da Sua breve vida - foi um acto de amor supremo. Ele demonstrou que tipo de Deus Ele representava - o Deus que alimenta, veste, e educa todos os Seus filhos, e não apenas aqueles que por acaso viveram sob a influência de uma revelação particular.

Para acreditar na doutrina de que Cristo era o único caminho para Deus para todos os tempos, eu teria que ignorar o que o próprio Cristo ensinou sobre Deus, através de palavras e actos. Cristo também dá ao versículo João 14:6 um contexto com as Suas palavras sobre si próprio. Em João 9:4-5, Ele diz:
Tenho de realizar as obras daquele que me enviou enquanto é dia. Vem aí a noite, em que ninguém pode actuar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo.
Isto assemelha-se a um paradoxo. Cada Educador Divino é único no Seu tempo, mas faz parte de uma sequência de Professores enviados para guiar a humanidade "desde o começo" (como Pedro o descreve). Cada um é uma "luz" para o seu tempo.

Antes de ter ouvido falar da Fé Bahá'í ou de Bahá'u'lláh, eu sabia o suficiente sobre os ensinamentos de Buda para entender que alguns eram muito semelhantes aos de Cristo. Isso levantou dúvidas na minha mente; eu tinha ouvido clérigos declarar inequivocamente que Buda era um falso Cristo. Como poderia isso ser assim, questionei-me, se o Buda ensinou as mesmas coisas? O próprio Jesus garante-nos que podemos testar a verdade de um profeta, olhando para os Seus frutos e que uma árvore má não pode produzir bons frutos. Se não fossemos chamados a distinguir entre um verdadeiro e um falso profeta, porque é que Cristo nos ensina a usar a razão?

Quando ouvi pela primeira vez a afirmação de Bahá'u'lláh de que Deus tinha enviado Educadores Divinos a outros povos além dos hebreus, fiquei indignada. Iniciei uma exploração profunda das escrituras das "outras" religiões... e da minha própria. Percebi que a mensagem de Cristo é inclusiva e racional. Ele ensinou que a graça de Deus foi oferecida a todos os que ouviram a Sua palavra e a colocavam em prática. Essa palavra nunca foi negada em qualquer tempo ou a qualquer povo.

Quando li devotamente o Sermão da Montanha (Mateus 7) percebi que era impossível que o Deus revelado por Cristo – aquele Pai Amoroso de todos nós – pudesse condenar milhares de milhões de almas a permanecerem afastadas d’Ele, porque viveram e morreram em terras onde os nomes de Moisés e Jesus eram desconhecidos, mas onde Krishna e Buda viveram e ensinaram.

Muitos séculos antes de Cristo, Krishna ensinou aos povos da Índia que existia um Espírito Supremo, que era alcançado por um “amor sempre vivo”. Ensinou o que foi descrito como Regra de Ouro: fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem. As declarações de Krishna sobre o Seu propósito são surpreendentemente semelhantes às de Cristo:
Eu sou o Caminho e o Mestre que observa em silêncio. O teu Amigo, e o teu Abrigo, e a tua Morada de Paz. Eu sou o princípio, e o meio, e o fim de todas as coisas, a sua Semente da Eternidade, o seu Tesouro Supremo. (Bhagavad Gita 9:16-18)
E também as palavras de Buda Gautama:
De facto, este é o Caminho - não há outro - para a purificação da visão. Segue este Caminho. Eu ensinei-te o Caminho... fazer o esforço é o teu assunto. (Dhammapada vs 274-276)
E de Maomé:
Este é o caminho recto do teu Senhor: Detalhamos os sinais para aqueles que recebem a advertência. Para eles, será uma casa de paz na presença do seu Senhor: Ele vai ser seu amigo porque eles praticaram (rectidão). (Alcorão, Sura 6:126-127)
E Bahá'u'lláh de :
…Ele tem manifestado as Estrelas da Sua orientação divina… e decretou que o conhecimento destes Seres santificados fosse idêntico ao conhecimento do Seu próprio Ser. Quem os reconhecer, terá reconhecido Deus. Quem escutar o Seu chamamento, terá escutado a Voz de Deus, e quem testemunhar a verdade da Sua Revelação terá testemunhado a verdade do próprio Deus... Cada um deles é o Caminho de Deus que une este mundo aos domínios do além… Eles são os Manifestantes de Deus entre os homens, as evidências da Sua Verdade e os sinais da Sua glória (SEB, XXI)
Todas as questões que eu tinha sobre as "outras" religiões foram respondidas quando vi o ministério de Jesus Cristo não apenas como um caminho para a salvação individual, mas como parte de um Plano muito mais amplo e abrangente para a regeneração da humanidade; e percebi que o Plano incluía as pessoas que receberam ensinamentos de Krishna, Buda, Maomé e outros cujos nomes se perderam nas brumas do tempo.

Jesus disse (João 10:16): "Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil. Também estas Eu preciso de as trazer e hão-de ouvir a minha voz; e haverá um só rebanho e um só pastor".

Isto foi considerado, nas igrejas que frequentei em criança e adolescente, como uma profecia do "fim dos tempos". Nos próximos textos vamos ver algumas outras profecias dos "fim dos tempos".

--------------------------------------
Texto Original: Jesus Christ: The Way of God (BahaiTeachings.org)
Texto Anterior: Jesus Cristo: O Pão da Vida
NOTA: Todas as citações bíblicas são retiradas da tradução dos Capuchinhos.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Maya Bohnhoff é Baha'i e autora de sucesso do New York Times nas áreas de ficção científica, fantasia e história alternativa. É também compositora/cantora (juntamente com seu marido Jeff). É um dos membros fundadores do Book View Café, onde escreve um blog bi-mensal, e tem um blog semanal na www.commongroundgroup.net.



2 comentários:

Anónimo disse...

Ou seja, "diz aqui que o céu é azul mas, no fundo, o que quer dizer é que ele é amarelo". Então Jesus diz que Ele é o único caminho, o que elimina à partida, no critério mínimo da coerência cronológica, o Budismo, o Hinduismo e o Zaroastrismo, e a conclusão é que Ele está a dizer que todos esses caminhos servem?! E o que fazem com o resto do Novo Testamento? Um exemplo, entre muitos: I Corintios 15:21-22 "Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.
Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo."

Marco disse...

Todas as afirmações dos Mensageiros de Deus têm de ser enquadradas no contexto histórico da sua própria Revelação. No tempo de Jesus, Ele era o Caminho; no tempo de Moisés, Moisés era o Caminho, no tempo de Maomé, Maomé era o Caminho.
Nas traduções da Bíblia que tenho comigo, não encontro a palavra “único” em João 14:6; isso já é uma interpretação que modifica o sentido do texto. E se essa interpretação leva à exclusão de outros povos/religiões então caímos novamente na ideia de que uma religião possui o exclusivo da verdade revelada e é superior às outras. Afinal o Cristianismo é inclusivo ou não?
Que benefícios trouxe à humanidade essa afirmação de exclusivismo e superioridade religiosa de um povo em relação a outro? Quantas guerras religiosas foram alimentadas com esse tipo de preconceito?
Este post apresenta afirmações de diferentes mensageiros de Deus que possuem semelhanças notáveis. Se dizemos que um deles é falso, então todos são falsos; e se dizemos que um é verdadeiro, então todos são verdadeiros.
Sobre o significado de ressurreição dos mortos recomendo este texto: A Ressurreição dos Mortos