quinta-feira, 27 de abril de 2006

Kitáb-i-Iqán (17)

O Dia do Juízo (2ª parte)

No Kitáb-i-Íqán, Bahá'u'lláh refere que Dia do Juízo/Dia da Ressurreição é um daqueles conceitos cujo significado espiritual os Mensageiros de Deus sempre tentaram explicar: “Em cada era e século, os Profetas de Deus e Seus eleitos não tiveram outro objectivo senão o de afirmar o sentido espiritual dos termos «vida», «ressurreição» e «juízo»[128]. Na verdade, ao ler os Evangelhos podemos perceber como Jesus tinha deixado implícito o significado desta expressão: ”Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a Minha palavra e acredita n’Aquele que Me enviou tem a vida eterna e não incorre em condenação, mas passou da morte para a vida!” (Jo 5:24)

Mosaico Bizantino (sec.XII) ilustrando o Dia do Juízo

As descrições que as Sagradas Escrituras fazem sobre o Dia do Juízo possuem ainda outros elementos cujo simbolismo também é explicado por Bahá'u'lláh no Kitáb-i-Íqán. As Escrituras referem que as pessoas se levantarão dos seus túmulos (Jo: 5:28). Bahá'u'lláh refere que “…todo o povo está aprisionado dentro do túmulo do ego e jaz enterrado nas ínfimas profundezas do desejo mundano...[128]; noutro parágrafo, refere-se a crentes que se podiam ter levantado do “sepulcro do erro[127]. Estas duas expressões sugerem que o termo túmulo descreve uma condição de morte espiritual do ser humano.

As escrituras também referem o toque de trombeta que antecederá o Dia do Juízo Final. No Evangelho de S.Mateus refere-se que o Filho do Homem “enviará os Seus anjos com uma trombeta altissonante para reunir os Seus eleitos...” (Mt 24:31) S. Paulo refere o som da última trombeta que há-de soar e ressuscitar os mortos (I Cor 16:52). No Alcorão, encontram-se várias referências ao toque de trombeta que assinalará o início do Dia da Ressurreição: “E recorda-lhes o Dia em que a Trombeta soará, e todos os que estão nos céus e na terra temerão, salvo aqueles que Deus desejar. E todos irão a Ele, humildemente” (27:87)

No Kitáb-i-Íqán, Bahá'u'lláh esclarece que o termo trombeta quando aplicado à revelação de Maomé se refere à ”trombeta mística e fez os mortos apressarem-se, de suas sepulturas da negligência e do erro, para o reino da guia e da graça.[25] Num contexto mais vasto, o toque de trombeta pode ser entendido como o momento do despertar espiritual: “Nesta hora, o Arauto místico, trazendo as jubilosas novas do Espírito, luzirá da Cidade de Deus, resplendente como o amanhecer e, com o toque de trombeta da sabedoria, despertará de seu sono de negligência, o coração, a alma e o espírito.” [216]

Com o aparecimento de um novo Manifestante de Deus dá-se o início de um novo ciclo de vida da humanidade. O processo de descoberta da nova Mensagem Divina tem sido descrito nas Sagradas Escrituras com diversos simbolismos: “ressurreição dos mortos”, “dia do Juízo” “toque de trombeta”, “atingir a presença de Deus”. Todos estes simbolismos são explicados no Livro da Certeza.

E neste mesmo livro, o fundador da religião baha’i descreve de forma poética a transformação causada sobre aquele que descobre a nova mensagem: “Então os múltiplos favores e graças emanadas do santo e eterno Espírito conferirão uma nova vida àquele que busca, a ponto de ele verificar que foi dotado de nova visão e de um ouvido novo, de um novo coração e de uma mente nova. Ele contemplará os sinais manifestos do universo e penetrará nos mistérios ocultos da alma. Fitando com os olhos de Deus, perceberá dentro de cada átomo uma porta que o conduz aos níveis da certeza absoluta. Descobrirá em todas as coisas os mistérios da Revelação Divina e as evidências de uma manifestação imperecedoura.[216]

6 comentários:

João Moutinho disse...

"O Dia do Juízo".
Mas achas que a humanidade em geral, e os seus altos dirigentes em particular, andam com falta de juízo?

Elfo disse...

Ó João Moutinho, quando se diz dia do juízo significa dia em que a humanidade vai a juízo, isto é, vai ser julgada pelos seus actos.

Um abraço.

João Moutinho disse...

Grande Elfo,
Obrigado pelo esclarecimento.
Mas hás de concordar que há por aí muita falta de juízo.

Anónimo disse...

Marco

Desculpa-me se já fiz em tempos esta pergunta (acho que não). Quer dizer que a religião bahai é universalista, ou seja todos os seres humanos serão "salvos" (habitarão a eternidade com Deus), de Hitler à Madre Teresa (para dar os exemplos mais típicos)?
Sei que acreditas numa espécie de purificação (qual a diferença do purgatório católico?), quer isso dizer que o que fazemos, ou acreditamos, aqui significa apenas maior ou menor tempo de purificação na eternidade?
Muitas perguntas ao mesmo tempo, eu sei...

Anonymous #2

Elfo disse...

Em realação à progressão espiritual das almas, Bahá'u'lláh diz-nos que se uma alma ligada a um torcionário assassino como hitler ou uma alma bondosa como a de Madre Teresa de Calcutá tiver feito progressos aqui na terra então essa alma progredirá sempre no caminho da luz mas em pontos separados, isto é:
- hitler caminhará na escuridão em direcção à luz, mas sempre na escuridão, isto quer dizer que esta alma nunca atingirá a luz.
- M.T. de Calcutá irá progredir dentro da luz pois desenvolveu capacidades e virtudes que lhe permitem ir na direcção da luz de Deus.
Tanto hitler como M.T. de Calcutá não reconheceram o Mensageiro de Deus para esta Era, daí que ambos terão muitas dificuldades em atingir a divina Luz.

Marco disse...

Anonymous #2,

Bahá'u'lláh afirmou "Nós, em verdade, viemos para vosso bem, e suportámos os infortúnios do mundo para vossa salvação". Mas este conceito de salvação não é "o acesso garantido ao paraíso" com que alguns catequistas nos impingiam em crianças.

A salvação é considerada mais como um processo do que como um estado em que se está ou não está. Além disso, a salvação actua a dois níveis: ao nível pessoal (libertando cada ser humano de um estado de ignorância) e ao nível social (ajudando à criação da paz e da unidade entre os povos).

Tenho muita dificuldade em usar conceitos como "Paraíso", "Inferno" ou "Purgatório" para descrever o que se segue após a morte. O que acontece após esse instante não pode ser descrito. Quando muito pode ser apreciado através de analogias como aquela em que se diz que o mundo do além é tão diferente deste mundo quanto este é diferente do mundo do embrião.

Esta analogia diz-nos que nos devemos preparar para uma nova forma de existência que ocorre após a morte do corpo. Tal como o embrião vai desenvolvendo um conjunto de atributos físicos que apenas lhe serão úteis na fase seguinte da sua existência, também o ser humano deve desenvolver um conjunto de atributos espirituais que lhe serão úteis na fase seguinte da sua existência.

Se um embrião não desenvolver esses atributos físicos, terá muitas dificuldades durante a sua existência enquanto ser humano; de igual modo, se o ser humano não desenvolver os atributos espirituais (conforme descritos nos ensinamentos das grandes religiões mundiais) também terá muitas dificuldades durante a fase da sua existência que se segue à morte física do corpo.

Deste modo, não sei - tal como ninguém sabe – o que aconteceu a Hitler ou a Madre Teresa após a morte. Mas através das analogias que encontro nas Escrituras Bahá’ís, e sabendo o que foi a vida e a influência de Hitler e da Madre Teresa no bem-estar da humanidade, diria que, após a morte, Hitler deve ter tido uma experiência bem mais difícil do que a Madre Teresa.