quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Bento XVI e as Religiões do Mundo (9)

Iluminismo

As correntes mais conservadoras do catolicismo costumam descrever o iluminismo como um conjunto de movimentos anti-religiosos, que ambicionavam substituir a fé pela razão, geradores de linhas de pensamento políticos tão nefastos como o comunismo ou o nazismo. Também Bento XVI assume uma posição idêntica; ao ler o livro Fé, Verdade e Tolerância: o Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo, fica-se com a impressão que este foi apenas um movimento filosófico de carácter exclusivista cuja ambição era impor a razão como fonte única de autoridade e conhecimento (p.31). No excerto seguinte, Bento XVI elucida-nos sobre a sua posição
Todo o iluminismo se caracteriza pela vontade de emancipação, primeiro no sentido do lema de Kant: sapere audare – tem a audácia de usar a própria razão. Trata-se, por parte da razão individual, da ruptura com todas as ligações à autoridade, as quais têm todas de ser sujeitas a exame crítico. Apenas o discernimento da razão é aceite como válido. (…) Só a razão é soberana; em última análise, não deve haver outra autoridade a não ser a da razão. Apenas vale o que pode ser compreendido; o que não é razoável, isto é, compreendido, não pode ser obrigatório. (p. 210-211)
Como já aqui escrevi uma vez, esta é uma perspectiva muito redutora da história. Na verdade, a Idade das Luzes foi muito mais do que isso. Os historiadores descrevem o Iluminismo como um movimento intelectual, cultural e filosófico que inspirou diversas correntes de pensamento político, social, científico e religioso. Os seus defensores advogavam que a tirania, as superstições e as tradições que tinham dominado a Europa durante a idade média deviam ser substituídas por valores como a liberdade, a democracia e o uso da razão esclarecida.

Estranhamente, ao longo do livro do então Cardeal Ratzinger não se encontra qualquer referência ao iluminismo enquanto movimento inspirador de ideais como a liberdade e a democracia. Para actual o líder da Igreja Católica, o iluminismo é a “pura religião da razão [que] depressa se desmoronou”; é uma máquina de vapor que está a deixar de funcionar (p. 208); é um ideal que retira importância à religião, “restando-lhe pouco mais do que uma função formal no sentido de um cerimonial político” (p.28-29).

Entre os frutos do iluminismo encontram-se vários movimentos revolucionários que se opunham a sistemas repressivos vigentes em matéria política, religiosa e moral. As revoluções francesa e americana são consideradas como tendo sido inspiradas nos ideais iluministas. É claro que não podemos esquecer que o Iluminismo também gerou as suas violências na forma de teorias políticas dogmáticas tão prejudiciais à humanidade como as ortodoxias religiosas que o precederam.

A hostilidade e repressão enfrentadas por ideólogos e filósofos americanos e franceses que - inspirados por ideais iluministas - lutaram contra a tirania e o absolutismo, são semelhantes aos enfrentados pelos primeiros bahá'ís, no Médio Oriente do Séc. XIX. Ambos enfrentaram restrições à liberdade, perseguições por delitos de opinião, eram impedidos de publicar livros e foram alvos de leis injustas publicadas por governos absolutistas. Não é pois de admirar que ambos apreciassem a liberdade de pensamento, a liberdade de imprensa e valorizassem a democracia e o primado da lei.

Nesta perspectiva, o Iluminismo (e o período de modernidade a que este deu origem) não foi o fim de uma idade de ouro, mas antes uma etapa do processo histórico de evolução colectiva da humanidade. E qualquer observador imparcial não negará que a humanidade vive hoje melhor do que vivia nos tempos que precederam o iluminismo. Só por ignorância ou má fé, se poderia sugerir o contrário.

3 comentários:

Pedro Fontela disse...

Isso diz muito de quem ataca o iluminismo não diz?

Marco disse...

Pedro,
Ao ler este livro dele fiquei por vezes com a sensação que ele não compreende o mundo de hoje. Sobretudo não entende o sentido da história.

rosinha disse...

esse texto tem sido muito importante para meu trabalho...que está sendo desenvolvido com base no contexto acima.
Adquiri muitos conhecimentos, que hoje me fazem importante!!!
valeu