terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Aliança de Civilizações

Decorre actualmente em Madrid, 1º Fórum da Aliança das Civilizações, onde mais de 350 participantes, 30 empresários de relevo mundial, líderes religiosos, políticos e cívicos analisam a partir de hoje o diálogo inter-cultural.

Dando o mote, o primeiro ministro espanhol afirmou na abertura deste encontro que “a Aliança de Civilizações propõe-se demonstrar que existem vias práticas de colaboração positiva, entre o mundo islâmico e o mundo ocidental que desmintam o paradigma supostamente inexorável de confrontos entre civilizações e culturas", afirmou José Luis Rodríguez Zapatero.

Ainda segundo o chefe do governo espanhol, a AdC deve ser vista como “um compromisso activo, uma aposta pela iniciativa e pela acção, contra a intolerância, o radicalismo, o fundamentalismo, e a favor do entendimento, pelo respeito, pelo reconhecimento do que não pensa como nos, para o encontro, para a paz que é o desejo mais amplamente sentido por todos".

Estas palavras são bonitas. Mas a prática política de algumas personalidades que apoiam a AdC é bem diferente.

Erdogan e Zapatero: terão ambos as mesmas intenções com a AdC?

Veja-se por exemplo o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan; este homem defendeu que os princípios essenciais para responder ao “problema global” dos conflitos internacionais e da crispação religiosa e cultural são a luta contra o fanatismo, a promoção da tolerância e o respeito inter-cultural pela via da lei, justiça e amizade. Mas é a Turquia um oásis de tolerância e um exemplo de uma pacífica sociedade multi-cultural? Que podemos pensar dele ser nos recordarmos que o governo turco criou uma série de procedimentos legais que impedem uma minoria religiosa como os baha’is de obter bilhetes de identidade?

E que pensar de Khatami, esse Ayatollah "moderado e reformador", que sempre foi fechando os olhos às perseguições de que os baha’is iranianos foram vítimas? Que pensar deste clérigo que nunca fez nada para libertar o Irão dos seus preconceitos contra os baha’is e tem agora a ousadia de falar em reconciliação com outras nações?

Veremos algum dirigente ocidental lembrar as este tipo de dirigentes políticos que as diferenças entre os povos não existem apenas para lá das fronteiras de cada país? As diferenças existem no interior de cada país, na diversidade cultural, religiosa, étnica…E países como a Turquia ou o Irão têm poucas lições a dar ao mundo no que toca ao respeito pela diversidade humana.

Será que este fórum serve para algo mais do que declarações de boas intenções? Será que se vão falar de problemas concretos, ou vamos apenas ouvir declarações genéricas e palavras de cortesia entre os participantes?

Se os dirigentes ocidentais optarem pelo silêncio ou a indiferença perante a situação dos direitos humanos em países como a Turquia e o Irão, isso só poderá ser entendido como sinal de cinismo e de cobardia. Será a prova definitiva da inutilidade da actual ordem política mundial.

----------------------------------
Sobre este assunto:
Aliança Civilizações: Iniciativa pode ser resposta aos "augúrios" sobre choque civilizações - Zapatero (Expresso)
Civilizações: Líderes mundiais em diálogo intercultural (Diário Digital)
Aliança de Civilizações é "antídoto para terrorismo" (DN)
Apelo ao diálogo entre civilizações (Correio da Manhã)
"Una Alianza para movilizar a las grandes mayorías de paz en el mundo" (ElPais)

2 comentários:

GH disse...

Enquanto decorre este forum, o exército turcos tem bombardeado os Curdos.

Isso é que é um diálogo explosivo!

Pedro Fontela disse...

Penso que é vai ser mais uma daquelas coisas que não dão em nada... veja-se bem o erro fundamental que está na base de toda a conversa: assumem que a questão religiosa prevalece sobre a nossa humanidade comum! Como se no fundo qualquer diferença religosa pudesse ser tomada como base legítima de uma diferença do valor humano.