quarta-feira, 1 de maio de 2019

Mais 67 textos de ‘Abdu’l-Bahá disponíveis online

'Abdu'l-Bahá em 1920, na Terra Santa
Sessenta e sete textos das escrituras de ‘Abdu’l-Bahá foram hoje publicados na internet pela primeira vez na Baha’i Reference Library, incluindo as suas duas Epístolas a Haia. Estes textos foram traduzidos e preparados para publicação pelo Centro Mundial Baha’i.

Os textos - 34 traduções em inglês e 33 originais persas – incluem várias epístolas que fazem referência às comunicações com Leon Tolstoy – famoso escritor russo e admirador da Fé Bahá’í - e Isabella Grinevskaya, uma Bahá’í russa que escreveu peças sobre as vidas de Bahá’u’lláh e do Báb.

As Epístolas a Haia foram escritas, após a Primeira Guerra Mundial, para a Organização Central para uma Paz Duradoura, em Haia. A primeira epístola, que tem uma extensão considerável, inclui a análise de 'Abdu’l-Bahá sobre criação da paz internacional no contexto da necessidade de mudanças políticas, económicas e culturais mais amplas. Cerca de metade da primeira carta, escrita em 17 de Dezembro de 1919, foi traduzida e publicada no livro Seleções dos Escrituras de 'Abdu'l-Bahá. Agora está integralmente publicada. Uma tradução provisória da segunda carta, mais curta - escrita em 1 de Julho de 1920 como réplica à resposta da Organização à primeira Epístola - tinha sido publicada na revista Star of the West em janeiro de 1921.

Quando 'Abdu’l-Bahá escreveu as duas cartas, a Conferência de Paz de Paris reunia líderes mundiais para discutir as condições da paz, após o final da Primeira Guerra Mundial. A conferência levou à criação da Sociedade das Nações. Apesar de elogiar os objectivos da Sociedade, 'Abdu’l-Bahá foi franco ao explicar que estava muito condicionada para criar a paz. Explicou que a paz exigiria uma transformação profunda na consciência humana e também um compromisso com as verdades espirituais expostas por Bahá’u’lláh. Na primeira mensagem, 'Abdu'l-Bahá também identifica muitos princípios Bahá’ís importantes, tais como a abolição de todas as formas de preconceito, a harmonia entre ciência e religião, a igualdade entre mulheres e homens, e a religião como causa de amor.

Na segunda Epístola, 'Abdu'l-Bahá retoma a ideia da importância da fé religiosa para o estabelecimento da paz, afirmando que o Seu “desejo de paz não é devido apenas ao intelecto: é uma questão de convicção religiosa e um dos fundamentos eternos da Fé de Deus.”

Na Sua mensagem para Isabella Grinevskaya, 'Abdu'l-Bahá elogiou os seus esforços para encenar peças teatrais sobre Báb e Bahá'u'lláh, mas lembrou-lhe que a atenção das pessoas naquele momento estava focada na “guerra e na revolução”. Acrescentou: "Virá o tempo para a encenar" e "terá um impacto considerável" na Europa.

-----------------------------

2 comentários:

Unknown disse...

Há probabilidade de termos traduções para o Português?

Marco Oliveira disse...

Se eu tiver tempo...
:-)