quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

Nizni-Novogorod

Em 1992 fui a Nizni-Novogorod, a ex-Gorki, uma cidade interdita aos estrangeiros no tempo da União Soviética. Na, época a Comunidade Bahá'í da Rússia tinha-me pedido para acompanhar um bahá'í Americano; tratava-se de um senhor com os seus sessenta anos, antigo pioneiro nas Ilhas Cook, que viajava pela Rússia com uma série de slides sobre o Congresso Mundial de Nova Iorque (e o respectivo equipamento de projecção). Tinha duas características que despertavam a atenção: uma perna artificial e não saber falar russo.

Antes da partida, disseram-nos que em Nizni-Novgorod (em português que dizer "Cidade Nova do Sul" ou "de Baixo") estaria um bahá’í local à nossa espera, que nos levaria ao local onde iríamos ficar. Fiz a viagem de comboio com um crescendo de preocupações. Nunca tinha estado em Nizni-Novgorod, não conhecia lá ninguém, não sabia como iria reconhecer a pessoa que nos aguardava, ninguém na cidade conhecia o meu companheiro de viagem…

Quando chegámos comecei a olhar para ver se via alguém com aspecto de bahá'í (seja lá isso como for!). Rapidamente apareceu uma senhora que me cumprimentou e apresentou-se como bahá’í. Afinal o nosso encontro na estação foi mais fácil do que esperava. O meu companheiro de viagem, além das características que referi, tinha outras que dava muito nas vistas naquelas paragens: era negro e tinha mais de um metro e noventa de altura (e usava um boné de "basebol").

A nossa anfitriã foi a Sr.a Natalya, uma Engenheira Electrónica reformada, que para sobreviver vendia artigos diversos na rua. Foi uma das semanas mais interessantes da minha vida; houve uma sucessão de episódios bonitos e interessantes. O que recordo com mais facilidade foi o facto de ter conhecido um judeu convertido à Fé Bahá'í (nunca tinha conhecido nenhuma bahá’í de "origem" judaica). Chamava-se Elya (Elias) e contou-me dos horrores por ele sofridos na era Estaline nas prisões da União Soviética. Quando falava disso, conseguia ver no seu semblante a dor que passou, ele pura e simplesmente não conseguia falar daquilo com um olhar normal.

Passados 12 anos consigo recordar o olhar do Elya. E com essa recordação revivo uma mistura de sentimentos difíceis de descrever. Deve ser também "disto" que levamos para a próxima vida, a etapa seguinte do nosso desenvolvimento espiritual, algo que perdura na memória do coração durante tanto tempo, esse o sentimento de amizade e humanismo entre o nosso semelhante, entre pessoas que nunca se viram na vida mas que ao se encontrarem parece que se conhecem desde a infância.

Na foto, ao centro a nossa anfitriã, Natalya, o Elya do lado direito e eu entre os dois.



Pedro Reis

2 comentários:

Elfo disse...

São tempos de mudança, estes em que raças e etnias diferentes se juntam sob o mesmo propósito e a mesma Causa. A Causa Bahá'í.

Marco disse...

Estas experiências de encontro de culturas são muito enriquecedoras. Quem já tenha passado por uma experiência destas, tem sempre imensas histórias para contar.