quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Ahmadinejad nos EUA (2)



Mais um video de uma entrevista do presidente Ahmadinejad é confrontado com questões sobre religião e direitos humanos. A dado momento (minuto 3:05) o moderador lança uma questão sobre os Baha’is no Irão.

Fica a tradução das palavras proferidas nesse momento.

MODERADOR: Temos muitas perguntas sobre a minoria religiosa Baha'i no Irão. Muitas das pessoas que questionam afirmam que a minoria Baha'i tem sido privada dos seus direitos humanos. Que resposta tem para isso?

AHMADINEJAD (através da tradutora): Na nossa constituição, o Cristianismo, o Judaísmo, o Islão e o Zoroastrismo são reconhecidos como religiões oficiais. Quando falamos de religião, referimo-nos às religiões divinas. No nosso país, seguimos essa lei; uma lei que é baseada no voto da maioria do povo.

---------------------------------

Não creio que o Presidente Iraniano tenha fugido à pergunta que lhe foi colocada. Na verdade, deixou claro que os Bahá'ís iranianos não têm direitos, porque professam uma religião que não é considerada oficial. Ou seja: a violação dos direitos dos Bahá'ís está consagrada na actual Constituição da República Islâmica do Irão.

4 comentários:

SAM disse...

É interessante notar alguns aspectos das intervenções, em formato de resposta, do Sr. Presidente. Tentei ao máximo ouvi-lo (o que nem sempre era fácil) e ver o que ele dizia...

Sobre as religiões. Afirma que todas elas têm a mesma fonte, os mesmos princípios e a mesma ambição pela justiça e amor. Afirma que essas religiões foram fundadas por "Jesus, Moisés e Jesus" assim como por Maomé. Parece que ele se esqueceu de outras figuras consideradas como fundamentais para o Islão.

Sobre a constituição. Não é nenhuma novidade que ser bahá'í é inconstitucional. Mas tampouco pode-se afirmar que o Zoroastrianismo "tem a mesma raíz" que as outras, porque o Zoroastrianismo, apesar de ter influenciado em larga medida o Cristianismo, não é uma religião Torânica. Ainda, é demais vê-lo falar no voto da maioria, quando ele foi eleito com o voto da minoria (basta lembrar da altíssima taxa de abstenção nas últimas eleições presidenciais).

Ainda, a sua linguagem não-verbal é espantosamente calculada e medida. Mas, não é totalmente perfeita. Ao longo de todo o vídeo, apenas houve dois momentos nos quais ela o traiu: quando falava dos bahá'ís (olhos arregalarem para a esquerda ou o engolir seco) ou quando lhe puseram a questão dos jornalistas presos (veja-se os braços que deixaram de estar quietos).

É muito interessante notar que ele estava treinado, mas, ao que parece, não estava preparado!

Pedro disse...

O que eu quero partilhar com vocês é o sentimento que senti de como uma "meia-verdade" é a mesma coisa ou pior do que uma mentira, e acima de tudo como realmente no fundo o que interessa é o exemplo naquilo que fazemos e não aquilo que dizemos.

As respostas deste presidente no início até parecem as de um bahá'í. Se não conhecêssemos o que é feito no Irão até poderíamos pensar que estamos a ouvir um campeão dos direitos humanos.

Eu não sou racista, os brancos, os amarelos são todos iguais. Os pretos?! No meu país, a constituição diz que os negros não são considerados uma raça...

Parole, parole, parole...

João disse...

Concordo perfeitamente com o teu comentário Marco, a resposta dele foi esclarecedora quanto aos bahais...mas acho que também nenhum bahai já espera o que quer que seja dele!

GH disse...

Sam,
Muito bom observador!