sábado, 18 de abril de 2009

A Crise, segundo Cavaco Silva

Cavaco Silva nunca foi uma figura política com quem eu simpatizasse. Mas ontem surpreendeu-me com os seus comentários à situação política, económica e social do país. É óbvio que podemos questionar se ele tem legitimidade moral para fazer estas críticas. Mas quantos políticos portugueses têm essa legitimidade moral? Cavaco Silva disse umas boas verdades. Posso não simpatizar com ele não é por isso que vou ignorar essas verdades.







AS FRASES

"Seria um erro muito grave, verdadeiramente intolerável, que na ânsia de obter estatísticas económicas mais favoráveis e ocultar a realidade se optasse por estratégias de combate à crise que ajudassem a perpetuar os desequilíbrios sociais já existentes ou que hipotecassem as possibilidades de desenvolvimento futuro e os direitos de gerações mais jovens".

"Este é um risco efectivo, muitos dos agentes que beneficiaram dos satus-quo e que tiveram um papel activo nesta crise financeira continuam a ser capazes de condicionar as políticas públicas quer pela sua dimensão económica ou pela sua proximidade ao poder político".

"Empresários e gestores submissos em relação ao poder político não são, geralmente, empresários e gestores com fibra competitiva e com espírito inovador. Preferem acantonar-se em áreas de negócio protegidas da concorrência, com resultado garantido."

"Não nos enganemos a nós próprios: os meses que aí vêm serão difíceis e o ano de 2010 não será fácil. Não ignoro que Portugal pode vir a enfrentar um período de contracção ou estagnação económica e de aumento do desemprego mais prolongado do que muitos pensariam no início da crise. Esta é uma possibilidade para a qual devemos estar preparados e que exige uma atenção por parte dos empresários, gestores e responsáveis públicos que deve ir muito além do mero desempenho empresarial ou pessoal".

4 comentários:

O vizinho do lado disse...

Afinal é apenas responsável por 10 (uma década) de governo em Portugal, quando havia dinheiro DADO pela EU, e bem aplicado como se vê.
Ele que critique o que quiser, mas livrem-me dos seus moralismos politicos.

PS-Talvez o seu amigo Dias Loureiro possa dar tambem uma palavrinha...

Marco disse...

Vizinho,
Quem diz o Dias Loureiro, diz também o Oliveira e Costa...
:-)

O Vizinho do lado disse...

:) ou o outro amigo, o durão barroso. Que mentia quando era pm. E que agora os amigos o branqueam mais que o bes :)

Marco disse...

Vizinho:
E que dizer das grandes empresas que convidam para cargos de topo, pessoas dos dois maiores partidos, como forma de "facilitar o contacto" com o governo, qualquer que seja a sua cor política? Que dizer dos políticos que aceitam esses convites?