quinta-feira, 23 de março de 2006

Kitáb-i-Iqán (15)

O Regresso de Cristo

Num post anterior sobre o Kitáb-i-Íqán referi que, na perspectiva baha'i, os Manifestantes de Deus podem ser vistos sob duas perspectivas distintas: uma perspectiva divina e uma perspectiva histórica. Na perspectiva divina, percebemos que todos Eles possuem as mesmas características, desempenham o mesmo papel de intermediários entre o Criador e a criação. Na perspectiva histórica podemos perceber que cada um deles possui um nome e uma individualidade própria; expressam os Seus ensinamentos de acordo com as necessidades e maturidade dos povos a quem se dirigem (sendo este o motivo para as diferenças entre os ensinamentos éticos e sociais das religiões).

Se considerarmos apenas a perspectiva divina, percebemos que os Manifestantes possuem a mesma essência e os mesmos poderes. Sob esta perspectiva não é possível fazer distinção entre os Mensageiros de Deus. O facto dos Profetas partilharem os mesmos atributos divinos, permite que se identifiquem uns com os outros, e inclusive sejam identificados pelo mesmo nome. Desta forma, cada vez que surge um novo Profeta, é correcto dizer que ele é o regresso dos Profetas anteriores.
É claro e evidente a ti, que todos os Profetas são Templos da Causa de Deus, embora tenham aparecido vestidos com diferentes adornos. Se observares com discernimento, verás que todos habitam no mesmo tabernáculo, voam no mesmo céu, sentam-se no mesmo trono, proferem o mesmo discurso e proclamam a mesma Fé. Tal é a unidade destas Essências da Existência, destes Luminares de infinito e imensurável esplendor. Assim, se um destes Manifestantes da Santidade proclamasse, dizendo: "Sou o regresso de todos os Profetas", Ele diria, realmente, a verdade. De igual modo, em cada Revelação subsequente, o regresso da Revelação anterior é um facto cuja verdade está firmemente estabelecida. Visto que o regresso dos Profetas de Deus, conforme atestam os versículos e as tradições, foi convincentemente demonstrado, também o regresso dos Seus eleitos está definitivamente provado. [162]
Uma analogia recorrente em muitos livros baha'is consiste em comparar os Manifestantes de Deus com o sol. Tal como o vemos, o sol surge sobre o horizonte e ilumina as diferentes regiões do planeta. Todos os dias a sua influência faz-se sentir. Algumas pessoas até podem fazer distinções entre os efeitos do sol que vêem hoje com o sol que viram ontem. Mas a verdade é que é sempre o mesmo sol.

É importante ainda referir que se insistimos numa interpretação literal das escrituras no que toca ao regresso de Cristo, encontramos descrições inconsistentes com a ciência e a razão. Foi isso que 'Abdu'l-Bahá referiu numa entrevista com uma das primeiras crentes ocidentais:
... os sinais e condições que foram referidas [para a segunda vinda de Cristo] têm um sentido simbólico, e não devem ser entendidas literalmente. Entre outras coisas, diz-se que as estrelas cairão sobre a terra. As estrelas são incontáveis, infinitas, e, os matemáticos modernos definiram e provaram cientificamente que o globo solar é cerca de um milhão e meio de vezes maior que a terra, e cada uma das estrelas fixas é mil vezes maior que o sol. Se fossem cair sobre a superfície da terra, onde iriam essas estrelas encontrar lugar? Seria como se mil milhões de Himalaias caíssem em cima de um grão de mostarda! De acordo com a razão e a ciência, isto é absolutamente impossível. (Respostas a Algumas Perguntas, cap. XXVI)
Nas escatologias cristãs e islâmicas, a ressurreição dos mortos e o regresso de Cristo são dois eventos que quase sempre foram entendidos literalmente. Para quem foi educado na religião cristã, esta perspectiva sobre o regresso de Cristo, que descrevi nos parágrafos anteriores, pode ser surpreendente (e até incompreensível!). Mas quem acompanha este blog com regularidade já deve ter percebido uma das características essenciais do modelo baha’i de interpretação das escrituras: quando a interpretação literal dos textos sagrados vai contra a ciência, então devemos procurar os significados simbólicos do texto.

Tentar perceber os muitos significados simbólicos das escrituras não é fácil; exige uma reflexão desapaixonada sobre os textos e um esforço para nos libertarmos de ideias pré-concebidas. No Kitáb-i-Íqán, Bahá'u'lláh encorajou o destinatário a reflectir cuidadosamente sobre os significados simbólicos das Escrituras; e anunciou-lhe o resultado desses esforços:
Esforça-te, pois, a fim de compreender o significado de "regresso", que, apesar de tão explicitamente revelado no próprio Alcorão, ninguém até agora entendeu. Que dizes? Se disseres que Maomé foi a "Regresso" dos Profetas da Antiguidade, assim como atesta este versículo, também devem os Seus Companheiros ser o "regresso" dos Companheiros antigos, do mesmo modo que o "regresso" do povo anterior é claramente afirmado pelo texto dos versículos acima mencionados. E se a isto negares, terás repudiado, certamente, a verdade do Alcorão, o mais seguro testemunho de Deus aos homens. Esforça-te também para compreender o que significam "regresso", "revelação" e "ressurreição", verificadas nos dias dos Manifestantes da Essência Divina, para que possas contemplar com os teus próprios olhos o "regresso" das almas santas em corpos santificados e iluminados, e possas eliminar a poeira da ignorância e, com as águas da misericórdia que emanam da Fonte do Conhecimento divino, limpar o ego obscurecido, de modo a conseguires, porventura, através do poder de Deus e da iluminação divina, distinguir entre a tenebrosa noite do erro e o Amanhecer do esplendor imperecível. [160]

8 comentários:

João disse...

Qual é o entendimento da vida depois da morte para os bahai?
Há vida depois da morte? E que vida?

Marco disse...

João,
A minha resposta está neste post: Nascimento e Morte.
Mais uma vez, desculpa o comodismo; é só para não repetir o que já escrevi.
:-)

João disse...

Não tens que pedir desculpa Marco, a culpa é minha que cheguei atrasado...mas penso que ainda estou em tempo de recuperar o atraso:-)

Muito bem feito aquele paralelismo com o recém nascido.
Quanto ao que concretamente nos espera no outro mundo acho no entanto que nem os profetas o sabem. Foi um mistério cuja solução, em minha opinião, Deus guardou apenas para si!

GH disse...

Quando todos os cristãos andam a aprender desde pequeninos que a historia do regresso de Cristo é literal, que possibilidade de aceitação é que tem uma ideia destas?

É que aceitar isto é bem mais difícil do que acreditar que "a terra é um só país e a humanidade os seus cidadãos" (como voces tanto gostam de dizer!)

João Moutinho disse...

"E se a isto negares, terás repudiado, certamente, a verdade do Alcorão,..."
- O Sol tanto ilumina como encadeia ou queima.

GH disse...

João Moutinho e os seus esoterismos de trazer por casa.

Anónimo disse...

O que os bahais pensam a respeito de Jesus: Que ele morreu crucificado como os cristãos ou que ele não morreu nem foi crucificado como os muçulmanos?

Marco disse...

Segundo a Fé Baha'i, Jesus morreu crucificado.